Todos os Direitos Resevados à Lu Cavichioli

Creative Commons License Todos os trabalhos aqui expostos são de autoria única e exclusiva de Lu Cavichioli e estão licenciadas por Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License. Não comercialize os trabalhos e nem modifique os conteúdos Se quiser reproduzir coloque os devidos créditos

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Outras Águas




Minha imagem afastava-se da realidade sob a fresta azul marinho de um olhar. O meu olhar! E todos os elementos se cristalizavam na pedra da ilusão enquanto eu me perguntava se a vida valia a pena.

(...) Certamente, respondeu meu alter-ego.

Olhei em redor e vi que o vento fazia festa em meus cabelos, que leves, dançavam na maresia de uma viagem sem regresso.

Quanto mais eu me distanciava do real (que era subjetivo), ia matando minha figura patética, outrora viva, para renascer (quem sabe), sereia em águas outras.

Depois de um sono agradável, tomei um banho e me vesti de festa para estrear minha primeira noite a bordo. Usava neste momento uma peruca ruiva do tipo chanel , talvez um mecanismo de defesa contra egos estúpidos.

Metida em um vestido preto liberto de repressões antigas eu desfilava minhas pernas e músculos de manequim, que respiravam embriagados, o marítimo aroma noturno. Estava eu diante da face negra do mar, um mar aberto, abraçado apenas pelo céu que trazia um pendente prateado (quase neon), iluminando rastros selenitas.

Será que alguém poderia me enxergar, ali parada no deck superior, debruçada no anteparo aventureiro de um navio apinhado de almas?

- Quem sabe, resmunguei...

Oxalá eu fosse Bilac somente por alguns instantes e ali perguntar se realmente ouvi estrelas. Mas preferi ser mares hasteando Bandeira, deixando-me levar por “quintanares”, onde a alma é essa coisa que nos pergunta se a alma existe.

Dei meia volta acenando um talvez pra mim mesmo, indo embriagar-me de humanidades. Posto que (ainda) era pele, sal, sorriso e afeto.

by Lu Cavichioli
maio/2012

domingo, 8 de julho de 2012

Kepler, a Lua surreal de Pandora


arte de imagem Graça Lacerda em Pandora


De todas as ciências, a matemática sempre foi uma espécie de trator intelectual agindo drástica (mente) em mim. Na escola eu levava reguadas na cabeça e puxões de orelhas por causa dessa maldita e rabugenta proprietária dos números.

Nunca me dei bem com números, nem cálculos e muito menos com fórmulas, essas abobrinhas generalizadas e tão exatas que deixam qualquer um atormentado, e “desneuralizado”.  (Ainda bem  que  a licença poética abre alas para meus neologismos desconcertantes- ufa!)

Em uma dessas madrugadas alopradas eu sonhei com esse cara aí, o Kepler e sua  física celeste”.

Lembro que era de noite e o céu estava limpo, escuro e repleto de balões  desses em que a gente entra e vai dar um passeio nas estrelas. Eram muitos e dava até  certo pavor olhar aquela dança metafísica e colorida.

Eu estava maravilhada com o balé e o mais assustador é que eu esticava a mão e podia tocar os balões. Muito surreal... Mas o que eu não esperava é que entre os balões existisse uma esfera luminosa, inquebrável e arrogante. Eu disse arrogante? DISSE!! Justamente porque eu não conseguia toca-la.  Mas, acreditem ou não num ímpeto desastrado eu voei e fui cair justamente na Lua desgarrada entre seus filhos -  os ditos balões.

Eu tinha caído aos trancos e barrancos,  mas não sentia dor nenhuma porque eu voava em espírito, livre de todas as dores e males.  Lá em cima, na esfera arrogante eu era branca, quase transparente. Meus movimentos eram refinados e meus pés flutuavam  e as cores dos balões passavam por mim como brisa.

Continuei deslizando feliz quando me deparei com a figura de uma mulher nua, de pele alva e cabelos cor de fogo. Ela estava sentada em uma pedra e segurava nas mãos uma caixa de prata. Aproximei-me . Ela hesitou! Eu a olhei fixamente e tive medo porque ela rodeou a pedra sumindo nas estrelas. Porém a caixa ficou sobre a pedra...

Senti a vontade imediata em abrir a caixa, mas eu  me lembrei da matemática que era exata e eu inexata e desativada.

Os balões continuavam a rodear-me e a Lua surreal começou a girar rapidamente e eu vi relógios e seus ponteiros escravos andarem ao contrário e todos os números gargalhando sobre meus neurônios imbecis que só conheciam o abecedário que só  sabiam formar palavras e as palavras só sabiam formar frases e as frases só aprenderam a gerar parágrafos, e então apavorada eu percebi que Kepler estaria em tudo porque tão somente era exato, definido e sem possibilidade de erros. Ele e sua mal falada filha adotiva - a matemática, já que Pitágoras cansou das cornucópias frutíferas  de um pentagrama esquecido nos séculos da humanidade.

Acordei espantada , mas feliz porque Pandora desapareceu pra sempre. Ela e sua caixa que só continham males , sombras e mentiras. Contudo ficou uma dúvida:

Por que Pandora sumiu deixando a caixa pra mim? Será que o segredo de Pandora era aquilo que Kepler chamava de razão astronômica da física, onde os males espalhar-se -iam pelo universo e os números ficariam mais acessíveis à esta pobre cabecinha - a MINHA?

Talvez...

Texto dedicado a Pitágoras, o Pai da Matemática e a Kepler, o Pensador das Estrelas.

By Lu Cavichioli

São Paulo/ julho/2012






sexta-feira, 6 de julho de 2012

Aventuras de Dona Carochinha no século XXI


A vida secreta e pessoal da Rainha Má




Escutei certa noite em que jogava cartas com o Príncipe Philip, que a  Rainha Má era drag queen e fazia seus shows em casas noturnas nas cercanias do Castelo.










O Castelo e suas cercanias


Conta-se à boca pequena que  o pai de Branca de Neve em uma dessas noites assoladas pela viuvez saiu em busca do Vale Encantado para ver se o sol iluminaria cachoeiras ,regatos e fontes espantando o cavernoso inverno interior que deixara suspiros glaciais em seu peito.
O infeliz ia cabisbaixo sacolejando em sua carruagem quando uma das rodas soltou provocando voos desajustados. O cocheiro  saltou boquiaberto diretamente para um galho seco que despencou logo em seguida lançando o coitado em uma poça de lama. O Rei caiu na beira do caminho rolando alguns metros à frente da carruagem ferindo-se na testa , desmaiando. Quando recobrou os sentidos veio logo aos seus ouvidos um som abafado de uma música que o lobo-mau  costumava dançar antes de levar chapéuzinho pra casa da vovó... Se não me engano , a música era do grupo Village People- YACM - alguém conhece?









Lobo-Mau indo pra balada

Mas que diabos -  exclamou o Rei segurando a cabeça com uma das mãos numa expressão de dor e terror?! Sentado na cama ,metido num pijamas de bolinhas vermelhas, o Rei ficou perplexo quando viu ao pé da cama uma mulher exuberante e de olhar sensual exibindo um vestido cor de maravilha colado ao corpo provocante.








Lady Dragão

 Deslizava sobre o colo protuberante um feixe de diamantes em formato de cobra e os cachos tingidos de pink  deslizavam plenos, ombros abaixo . O olhar desta mulher fatal foi a derrota do Reino, pois a figura angelical escondia sinistro futuro para os súditos e seria mortal para a formosa e inocente Branca de Neve.


O rei gesticulou feito marionetes  num ímpeto de fuga, mas foi logo dominado pela delicadeza da (mocréia) Dona Lady Rochelle que o beijou ternamente jurando amor eterno.


O casamento aconteceu com grande pompa e os reinos vizinhos trouxeram presentes e majestades enfileirados numa caravana surreal... Imaginem que até aLady Gaga estava presente.
Dona Lady Gaga


Passado algum tempo o rei caiu enfermo com dengue e morreu rapidamente.


Era uma vez um Rei
Lady Rochelle, foi coroada Rainha e Branca de Neve com seus 10 anos lutava judô e fazia aula de tiro ao alvo quando foi surpreendida e arrastada à força para a  torre mais alta do castelo e lá ficou até Spilberg enviar o E.T. para salvá-la. Mas isso demorou alguns anos...


Branca de Neve esperando E. T.
O reino e seus súditos odiavam  sua majestade que  já era rainha antes,  e que poderia virar  um Dragão cuspidor de sangue se assim desejasse.


Uma noite, o  dragão que era rainha andava de patins sobre o rio congelado quando cismou de tirar o espelho da bolsa para retocar a maquiagem. Neste momento seu celular tocou e do outro lado da linha uma voz meio rouca lhe dizia: FAÇA A PERGUNTA antes que seja tarde demais! Sem demora Lady Dragão, após retocar o batom olhou para o espelho dizendo: Espelho fedorento e insignificante, existe algum dragão mais bonito do que eu?


Neste momento o espelho cantou Macho Man e ela num sorriso frenético fez espacate indo dormir em seguida pensando em sonhar com o caçador de androides para um “servicinho” sujo logo mais.



Porém o que ela não imaginava é que a Princesa tinha feito um curso (às escondidas )com a tropa de elite do Rei Arthur.


*alguém tem noção do que vai acontecer com Branca de Neve?

Será que ela vai virar Patricinha?


Até mais!


By Lu Cavichioli