Todos os Direitos Resevados à Lu Cavichioli

Creative Commons License Todos os trabalhos aqui expostos são de autoria única e exclusiva de Lu Cavichioli e estão licenciadas por Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License. Não comercialize os trabalhos e nem modifique os conteúdos Se quiser reproduzir coloque os devidos créditos

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Razões do Coração - Cena I


Prólogo

Rose costumava comprar os presentes de natal antecipadamente e naquele ano não seria diferente. Contudo, a ceia de natal  reservava algo inusitado a todos e a  busca por algo diferente para ser colocado sob sua árvore natalina a estava deixando cega, surda e muda de tanta ansiedade e quem sabe um receio ,que lá no fundo de sua alma, tinha a face  desconhecida da surpresa. 






A idéia de meu pai não era de todo má  e muito menos novidade para mim. Faltava duas semanas para o natal e eu nem sequer havia feito a lista para a ceia. Meu trabalho na clínica estava me consumindo e há muito eu manifestava um desejo mudo em deixar tudo de lado e continuar com o que eu gostava de verdade, que era restaurar quadros e peças antigas.

Papai morava conosco desde a morte de minha mãe há três anos. Ele não era mais um jovenzinho, mas eu não o via com 83 anos embora já demonstrasse algum sinal de surdez e  sua caminhada agora era lenta. Contudo, ele era ativo, esperto e muito lúcido. Ele fazia questão (ainda) de criar projetos na área de edificações, mesmo que fosse uma casinha de bonecas para Alice.

Aproveitando minha folga na clínica, eu e meu velho resolvemos conversar seriamente sobre a proposta dele e que mudaria minha vida. Bem ali, juntinhos na rede enquanto esperávamos Alice voltar do colégio, dividiamos um pequeno chá da tarde com algumas torradas, manteiga com geléia e um fofinho bolo de laranja com cobertura glaçada que ele mesmo fazia questão de preparar.

Meu pai  era um homem generoso em suas decisões e sábio ao lidar com situações delicadas. Desde cedo aprendi com ele valores preciosos sobre a vida como por exemplo, uma certa reflexão que ele chamava de auto análise.
Sempre foi um homem ponderado, correto e de um caráter íntegro e sincero, quer fosse em casa ou no trabalho. Talvez por isso tivesse tantos amigos.

O chá emitia seu perfume entrelaçado em uma névoa branca que subia da xícara invadindo a varanda. O por de sol já emitia sua aquarela quando o ouvi pigarrear, e isso era um sinal de que ele ia começar a falar e queria minha total atenção.

Olhei sorrindo com o canto da boca e piscando ao mesmo tempo que passava minha mão em seu rosto:

_Vamos lá papai, diga logo o que está pensando.

_Vejo que me conhece do avesso né querida? - Lembra filha, quando trazíamos uma companhia pra você no natal?

_Sim, paizinho, lembro-me como se fosse hoje... Eu morria de ciúme , mas hoje compreendo o bem que fizeram àquelas crianças, mesmo que a dor fosse dobrada ao devolvê-las para o orfanato. .. E olha, nem precisa continuar a dizer nada, porque já advinhei tua fala.

Ele sorriu e me beijou docemente na testa.

-Olha pai, eu falei com o Marcos e ele concordou. Semana que vem podemos ir juntos ao orfanato... Aquele que fica no km24 da Rodovia do Pessego, é aquele não?

_Sim filhota é aquele mesmo... -  você era apenas uma menina. Ah, mas deve estar todo reformado e aposto que a Sra. Dis'téfano nem está mais lá.

-Pode até ser pai, tudo é possível. Eu até gostaria e vê-la, nem me lembro de seu rosto... o que ficou em minha memória foi somente o coque que ela ostentava no alto da cabeça e aquele óculos de aro dourado que eu achava que era de brinquedo, lembra?

Caímos na risada e eu me senti menina novamente , mas mesmo assim um canto dúvida pairou sobre o olhar de papai...
_ O que foi pai?
_ Ah filha, sera que Alice vai aceitar um órfão para passar o natal e ano novo com a gente? Tenho cá minhas dúvidas.

_Poxa, agora que você tocou no assunto, devo confessar que Marcos fez a mesma pergunta ontem. Mas olha paizinho, ela já tem seis anos e...
Os olhos de Rose ficaram marejados e seu pai segurou firme em suas mãos e disse com aquele tom de voz tão conhecido por ela e qu lhe acalmava todas as dores.

_ Minha querida, pense bem... Você já superou o fato e sabe que teu marido é aberto a qualquer decisão que tomar a esse respeito.
_ Eu sei pai, mas é que isso me persegue e assombra e você é testemunha de meus pesadelos. Ah, mas deixa pra lá... -- Seus olhares foram interrompidos pela buzina da perua que chegava com Alice.

-Ah, chegou a boneca do vovô!

Alice saiu em disparada e num piscar de olhos já estava empoleirada no colo de papai.

_Sabe vovô eu desenhei um castelo hoje, igualzinho daqueles que você faz pra essas pessoas ricas e que pagam pelos teus "rabiscos" feitos a régua.

Meu pai sorria balançando a cabeça dizendo:
_Não são castelos querida, são apenas casas e que de tão grandes podemos chamar de mansões.
-Ah, pra mim são castelos... E dizendo isso deu-lhe um beijo, me abraçou  e saiu correndo ao encontro de Thor, nosso cão labrador.

Como é bom ser criança e saber-se livre na inocência da infância.

Depois de nossa costumeira oração à mesa antes do jantar, Alice estava agitada e com sua impaciência me perguntou:

_Mãe, você já telefonou para o Papai Noel?

Marcos sorriu com seu olhar periférico tamborilando os dedos sobre a toalha, enquanto papai dizia que tinha perdido o número do telefone e que talvez Papai Noel tivesse facebook.

_PAPAI! Ralhei imediatamente. Eu queria essa parafernália tecnológica longe de mnha filha por enquanto, afinal ela só tinha 4 anos.

_Calma filha, e não pode ser verdade? Afinal hoje está tudo informatizado.

Alice fazia caretas e batia com o garfo no prato irritando-me. - Oi manhê, você ouviu o que eu falei?
Com cara de empada eu respondi:
_Telefonei, mas ninguém atendeu. É que ele deve estar viajando, você sabe que nessa época ele precisa visitar muitas crianças.

_AHH , mãe, mas eu quero meu presentee e ele vai me dar né?

___Claro filhotinha - exclamou papai. - O vovô é amigo dele e vai dar um jeito.

Revirei os olhos enquanto Marcos disfarçava para não gargalhar com as palhaçadas de meu pai.

O fim de semana foi intenso de brincadeiras e compras. Eu queria um pinheiro natural e estava batendo cabeça pra achar uma dessas casas botânicas onde eu pudesse entrar e nela me perder entre  flores e seus aromas.

Depois de percorrer alguns bairros achamos o "Central Gardem Palace"- uma estrutura plantada no meio aos monumentos urbanizados recheados de concreto e tecnologia. - OH,Exclamei! Que  bom que existem lugares como este ainda.

Alice corria na frente enveredando pelo laribirnto floral repleto de gaiolas brancas com passarinhos artificiais e ao mesmom tempo passando a mão nos vasos que encontrava .

Papai e eu batemos o olho no mesmo pinheiro e dissemos em uníssono: _Olha aquele ali, está
lindo'!

aguardem o andamento com o final.




5 comentários:

  1. Essa primeira parte já me conquistou. Os diálogos, a expectativa, as brincadeiras. Já estou aguardando a continuação. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  2. MAS...
    TINHA QUE SER NE?
    EU LOUCA PRA VER O PINHEIRO, JÁ ATÉ IMAGINEI ELE.
    ME AVISE QUANDO TIVER A CONTINUAÇÃO,MTOOOO BOUAA, ADORO HISTÓRIAS ASSIM.


    BJS NO TEU CORE BONITA, JÁ ARRUMEIOS COMENTÁRIOS DO PHOTOSHOP OK? BJBJ.
    PATTY.

    ResponderExcluir
  3. Esperando. Enquanto tá no plim-plim eu vou ali buscar a pipoca. Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Esse Natal promete e muito. Já estou esperando mais emoções.

    Um lindo dia para você, Lu

    bjs.

    ResponderExcluir
  5. As histórias natalinas tem sempre aquele cheirinho de cedro, e eu me vejo diminuindo de tamanho, as pernas cobertas por uma sainha de xadrez... linda história! Vamos ver o desfecho...

    ResponderExcluir

Bem vindo ao Escritos na Memória

Deixe seu comentário, eu gostaria imensamente saber tua opinião

Obrigada